Extraordinário: um livro para você refletir

“August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade… até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.”

Sabe aquele livro que você termina de ler e começa a pensar sobre tudo o que o livro mostrou e que você talvez nunca tinha parado para pensar? Extraordinário é o tipo de leitura que deveria ser obrigatória nas escolas, para ensinar as crianças lições valiosas sobre como tratar o próximo. Além de falar sobre bullying que, infelizmente, acontece em todas as escolas. O livro acima de tudo, nos ensina uma lição valiosa sobre gentiliza e empatia, nos fazendo refletir sobre como nós muitas vezes acabamos formando pré-conceitos quando avistamos algo ou alguém “diferente”.

Ela: uma reflexão sobre o amor e a tecnologia #batpapo

O amor é algo físico, mental ou físico e mental? Depois de olhar o filme Ela, você fica com muitas dúvidas sobre o amor, tecnologia, o ser humano e a sociedade. Parece um filme de romance, e eu que odeio filmes de romance gostei bastante do filme. Ele não se encaixa exatamente na categoria “Romance”. É algo mais ficção científica envolvendo os sentimentos do ser humano. Para inaugurar o quadro #batpapo, que é um bate-papo (prassódia invocada com sucesso), vim falar sobre o filme Ela ou Her (ela em inglês). Eu assisti na aula de Psicologia do Projeto Jovem Aprendiz da Feevale, com as melhores professoras que você respeita. No final do filme tivemos uma conversa em grupo para refletir sobre Ela e rendeu bastantes pensamentos que gostaria de compartilhar com vocês.